Notícia | Tire suas dúvidas sobre as placas padrão Mercosul

Aos poucos, as ruas de vários estados do Brasil estão sendo “invadidas” por uma novidade: as novas placas de veículos no padrão Mercosul. A mudança, já em vigor na Argentina e no Uruguai, chega ao nosso país depois de ter sido adiada várias vezes desde 2016, prazo inicialmente previsto. O assunto ainda está cercado de dúvidas e esta matéria vai apresentar respostas para as mais comuns.

 

Obrigatoriedade - Por enquanto, apenas um grupo de veículos está obrigado a adotar a nova placa: os novos, transferidos (proprietário e/ou de município), em nova categoria (um táxi que vira um carro de passeio, por exemplo) e com placa atual reprovada em vistoria por estar ilegível ou danificada. Detalhe: quem quiser trocar a placa voluntariamente também pode fazê-lo caso o estado onde o veículo estiver registrado já tiver adotado o novo sistema. Existe a estimativa que até 2023 todos os carros brasileiros tenham que mudar suas placas para o padrão novo, mesmo que se mantenham até lá com o mesmo dono e no mesmo município.

 

Estados que já mudaram – Até o momento, a novidade já foi implantada em oito estados: Rio de Janeiro, Amazonas, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Paraná, Rio Grande do Norte e Bahia. As demais unidades federativas farão a adesão ao novo sistema gradativamente, conforme as suas possibilidades e limitações, mas todas elas têm o prazo final de 30 de junho deste ano.

 

Custo – Por incrível que pareça, o valor a ser pago pela nova placa será menor que os praticados atualmente. No Rio de Janeiro, o primeiro Estado a adotar o novo padrão, o custo da nova placa caiu de R$ 219,35 para R$ 193,84 (carros) e de R$ 90,12 para R$ 64,61 (motocicletas). Esta diferença ocorre porque o novo sistema não exige lacre na placa traseira, uma despesa a menos para a realização do procedimento.

 

QR Code – Outro detalhe inédito na nova placa é a presença de um QR Code gravado na parte inferior que permite verificação de autenticidade por qualquer celular. Como o novo padrão só apresenta o nome do país, sem menção à cidade ou ao estado (obrigatoriedade retirada recentemente pelo Conselho Nacional de Trânsito – Contran) onde o carro foi registrado, não vai ser mais necessário trocar a “chapa” que estava em cima a cada transferência, bastando somente a atualização deste código.

 

Origem – Dessa forma, só será possível saber a origem do veículo fazendo a leitura do QR Code instalado na placa ou por meio de uma consulta ao aplicativo Sinesp Cidadão. Como as três primeiras letras serão mantidas, também será possível saber em qual estado foi realizado o primeiro emplacamento (exemplo: de AAA0000 a BEZ9999, o registro ocorreu no Paraná).

 

Tamanho – Quando a placa padrão Mercosul foi apresentada ao público ficou a impressão de que esta seria maior. Contudo, elas têm o mesmo tamanho da atual (40 cm x 13 cm), podendo ser diminuídas em até 15% caso não caibam no receptáculo de alguns veículos, caso de boa parte dos veículos argentinos e uruguaios, onde o espaço para a placa é bem menor.

 

Categorias – Como todas as placas Mercosul terão fundo branco, a distinção entre os diferentes tipos de veículos se dará pela cor da borda e das letras. A maioria das placas vai apenas migrar a cor que era usada no fundo para as letras. Em veículos de teste a borda e os caracteres serão verdes, enquanto ônibus, caminhões e táxis usarão o vermelho. Os carros de coleção, porém, usarão caracteres cinzas, já que o preto é exclusivo dos automóveis comuns. Veículos oficiais e diplomáticos terão, respectivamente, azul e alaranjado na borda e nas letras.

 

Sequências – O código alfanumérico das placas atuais (três letras seguidas de quatro números) permite 175 milhões de combinações. Este número aumentará para 450 milhões com as placas do padrão Mercosul, uma vez que um dos numerais se transformará em letra. Esta será a única alteração nos veículos que estão emplacados no padrão atual, sendo que há uma tabela de conversão para transformar o segundo numeral em letra.

Por exemplo, o veículo que tem a placa BOL2250, ao aderir ao padrão Mercosul, ficará com BOL2C50 (2=C). Se tiver placa DAM6987, ficará com DAM6J87 (8=I). Veja como é e como ficará na tabela abaixo: