Notícia | Mortes no trânsito caem 7%, mas números ainda são preocupantes

As ações de conscientização no trânsito promovidas por governos e pela sociedade civil organizada brasileiro, como o Maio Amarelo, começam a dar resultados. Se em 2012 o número de mortes por acidentes desta natureza passou de 60 mil, em 2018 caiu para 38.281, uma redução de 6,97% em relação ao ano anterior (41.151).

 

Estas informações estão no Relatório Anual da Seguradora Líder-DPVAT, que detalha como os recursos vindos do Seguro Obrigatório foram aplicados, e demonstram como o trânsito brasileiro ainda é violento. A quantidade de mortes em acidentes viários é absurda: maior que a população de 4.685 dos 5.570 municípios brasileiros e quase o dobro da registrada em 2018 na guerra civil da Síria.

 

Impacto financeiro e social

A quantia desembolsada pela Líder em 328.142 indenizações realizadas pela empresa (61.759 de despesas médicas e 228.102 para invalidez permanente) superou a marca R$ 2,3 bilhões, uma pequena fração do prejuízo anual que os acidentes de trânsito provocam para a economia brasileira.

 

Levantamento realizado pelo Centro de Pesquisa e Economia do Seguro, da Escola Nacional de Seguros, aponta que esta conta chegou, somente no primeiro semestre de 2018, a R$ 96,5 bilhões. Fazem parte deste montante os gastos extras que recaem sobre o sistema público de previdência e saúde, bem como a queda de produtividade provocada pelo afastamento (temporário e definitivo) de trabalhadores que se envolveram em acidentes de trânsito.

 

Outro dado estarrecedor é o número de crianças que morreram atropeladas, conduzindo veículos sem motor (bicicleta, patins, patinete, entre outros) ou na condição de passageiras em veículos que se envolveram em sinistros. Dados de 2015 do Ministério da Saúde, organizados pela ONG Criança Segura, colocam esta como a principal causa de óbitos acidentais entre pessoas de 0 a 14 anos (3.886, mais de 10 por dia).

 

A violência no trânsito, infelizmente, não poupa ninguém. Por isso, em respeito à vida – sua e dos demais – é fundamental rever atitudes negativas e reforçar as boas práticas que já fazem parte do nosso cotidiano de condutores e pedestres. Aproveite esse final de Maio Amarelo para dar e aprender com os bons exemplos.